Loading

Presidente da Atlética ESPM comemora “tri” no Econo e explica sucesso: “relacionamento”

Participar de uma entidade acadêmica como as Atléticas é um momento único na vida de todo jovem universitário. E assim foi o ano de 2018 para Júlio Correia, 19 anos, completados recentemente: marcante. Ele teve a honra de ser o presidente da Atlética ESPM na gestão deste ano. O desfecho foi o melhor possível, com o título do Economíadas, principal competição universitária da faculdade.

O jovem é de Santos, está terminando o 4º semestre de Relações Internacionais e é um dos destaques da equipe de tênis de mesa da ESPM. Foi assim que a caminhada dele dentro da Atlética começou. “Entrei no time no início de 2017, antes de começarem as aulas o time veio atrás por eu já ter um histórico no esporte”, contou.

A Atlética da ESPM não tem eleição. Os gestores e ex-gestores são as pessoas que escolhem quem serão os diretores do ano seguinte. Uma etapa muito bem organizada, onde os colaboradores devem se inscrever na área que pretendem atuar. “Eu tinha um bom relacionamento com um ex-gestor da Atlética. Ele me incentivou pra participar no processo seletivo, coloquei como preferência diretor esportivo ou financeiro, mas eles me realocaram para presidente. Falaram que o perfil encaixava”, explicou o santista.

E encaixou mesmo. Articulado, Júlio conseguiu encerrar sua gestão com chave de ouro. Depois da 3ª colocação no ano passado, a ESPM brilhou e conseguiu o bicampeonato do Econo. Seria o tri, se não tivesse perdido o título de 2016 para o Mackenzie no “tapetão”. Apesar de não ser aluno nesta época, ele comentou sobre essa polêmica. “Vamos se posicionar como tricampeã. A gente julga que o resultado esportivo é o que conta como título oficial”.

O TikTalk bateu um papo com o presidente Júlio Correia. Ele explicou os segredos do sucesso do Jacarito em 2018. Se liga:

Júlio e o time de tênis de mesa

TikTalk: Como é ser campeão do Economíadas sendo o presidente da Atlética?

Júlio: Eu acho que é uma sensação única, ainda mais porque eu consigo visualizar os dois lados, tanto o de presidente como o de atleta. Participei em 2017 e senti dificuldades, perdemos nas quartas de final para o Mackenzie e esse ano revertemos, ganhamos deles na final. Não só o tênis de mesa, mas várias equipes conseguiram ganhar confrontos limites, que há tempos não ganhavam. Essa reviravolta fez com que a gente levasse o título. Buscamos o ano inteiro a melhor forma de administrar as coisas na tentativa de incentivar os nossos esportes, que foi tão bem executado durante o Econo.

TikTalk: Quais mudanças foram feitas do ano passado para esse ano?

Júlio: Eu costumo conversar bastante com o pessoal. Eu tenho uma opinião própria que a gente literalmente faz a administração dos recursos da atlética, sejam eles humanos ou materiais, mas os times têm uma motivação diferente. Não foi só o processo único como uma gestão que fez os times mudarem, mas o reflexo de uma frustração por 2017 serviu para motivar muitos atletas e ex-atletas que ajudaram no desenvolvimento dos times. A queda foi essencial para esse resultado.

TikTalk: De 2015 para cá a ESPM vive uma fase de protagonista no Econo. Agora, como se manter no topo nos próximos anos?

Júlio: Essa fase vem muito pelo que os nossos times estão dispostos a pagar o preço de estarem no topo. Outro fator, principalmente, o nosso relacionamento que criamos entre gestão, atletas e técnicos. Os técnicos são uma formação muito importante nossa. É uma exigência da Atlética a gente buscar técnico de alto nível, caras que passaram por Seleção Brasileira ou que foram de base da Seleção e os que já foram pelo menos atletas profissionais do esporte. Sempre buscamos entregar para os atletas as melhores condições para eles atingirem o maior nível esportivo possível. A gente pretende melhorar ainda mais a abertura para o time.

TikTalk: Muitos ex-gestores da Atlética são mega participativos. Qual a importância deles?

Júlio: Eu acho que a partir do momento que você é um ex-gestor, você decide ou não a sua índole quanto a permanecer na Atlética: ajudar periodicamente ou simplesmente sumir. O que surpreendeu a gente foi que muitos ex-gestores de longa data voltaram para o Economíadas. Eu acho que o desenvolvimento veio em querer ser exemplo. Eles ajudavam no sentido de como deveríamos se portar nesse evento tão grandioso. Pessoal de 2014 e 2015 ajudaram demais no nosso desenvolvimento. Fizeram de tudo pra gente manter o pé no chão e superar as adversidades.

TikTalk: Sobre a polêmica de 2016, qual a sua opinião? A Atlética vai se posicionar como tricampeã?

Eu não convivi com essa polêmica, entrei em 2017, mas sei muito bem a história. Não sou muito fã de entrar em detalhes, mas o óbvio é o óbvio. A vitória que ocorreu em quadra permanece em quadra. O título é levado em consideração por todos os atleticanos em toda a faculdade. Por ter acontecido na raça e não decidido em tribunal, o que pra gente não agrega em nada no nosso nível esportivo. Sim, vamos se posicionar como tricampeã. A gente julga que o resultado esportivo é o que conta como título oficial.

TikTalk: Quer agradecer alguém? Fique à vontade!

Júlio: Gostaria muito de agradecer essa oportunidade dessa entrevista. Eu acho que é gratificante passar um pouco da imagem da nossa Atlética para as pessoas. É um sonho meu que as pessoas voltem a ter muita vontade de participar da Atlética. São resultados que não se compram, não é nada material, é resultado que pesa no emocional, são histórias que você conta para o resto da vida. As pessoas tem receio de entrar, mas quando entram não querem mais sair. A ESPM tem um grande diferencial de fazer os atletas crescerem e eu quero ajudar cada vez mais nisso. Queria também agradecer a toda galera da minha gestão, aos colaboradores, conselheiros, alunos em geral, Bateria e a Força ESPM.