Loading

O que é Transtorno Obsessivo-Compulsivo?

Cerca de 2 a 3% da população mundial é diagnosticado com Transtorno Obsessivo-Compulsivo ao longo da vida. O Transtorno é caracterizado por pensamentos intrusivos e repetitivos, bem como por comportamentos compulsivos usualmente adotados na tentativa de anular ou reduzir o mal-estar gerado pelas obsessões.

O TOC, em geral, tem as suas primeiras manifestações na adolescência ou no início da vida adulta, podendo em alguns casos iniciar já na infância. Quase 80% dos pacientes manifestam os sintomas antes dos 25 anos de idade, sendo esse início mais precoce no sexo masculino. No entanto, quanto maior a faixa etária, mais igualitária essa distribuição entre homens e mulheres.

Como estamos falando de um transtorno psiquiátrico, é fundamental saber diferenciar características de personalidade e sintomas obsessivo-compulsivos. Sabemos que existem pessoais mais exigentes com organização e limpeza, por exemplo. No entanto, só podemos falar em TOC quando houver improdutividade, sofrimento e limitações em diferentes contextos de vida.

Quando o assunto é o TOC, surgem inúmeras dúvidas e mitos a respeito dos sintomas. Cabe, aqui, então, falarmos um pouco sobre os mitos e verdades mais comuns:

1º Mito: Compulsões são hábitos ou superstições.
Verdade: Compulsões são sintomas extremamente angustiantes e difíceis de controlar. Nesse sentido, enquanto os hábitos em geral facilitam a vida, as compulsões sempre atrapalham e envolvem perda de liberdade em algum sentido. Também não devemos confundir com superstição, a qual envolve valores culturais compartilhados, sem nenhum significado doentio.

2º Mito: As compulsões e obsessões sempre andam juntas.
Verdade: A grande maioria apresenta obsessões e compulsões concomitantemente, como obsessões de contaminação com compulsões de limpeza. Mas nem sempre! É possível a presença apenas de pensamentos ou imagens obsessivas. Também é possível apresentar apenas compulsões, como por exemplo, arrumar objetos em cima de uma mesa até que estejam visualmente na posição certa, sem nenhum pensamento obsessivo por trás.

3º Mito: Apenas pessoas diagnosticadas possuem obsessões.
Verdade: As obsessões fazem parte de todas as pessoas, se constituindo sintoma de TOC apenas quando geram mal-estar e sofrimento significativo. Podemos citar como exemplo casos de mulheres grávidas que apresentam obsessões de que a criança pode ter algum problema ou malformação, pensando quase o tempo todo se a criança está bem mesmo. Em geral, é uma obsessão que não paralisa e não traz sofrimento significativo, embora surja como um pensamento indesejado.